AUTOCONHECIMENTO: CONHEÇA OS PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS DA CONSCIENCIOLOGIA

Na coluna AUTOCONHECIMENTO DESTA QUARTA-FEIRA temos a oportunidade de conhecer melhor os princípios da Conscienciologia e nos aprofundarmos mais no tema sobre a origem da nossa existência e entender o sentido da vida e o propósito da nossa existência. Leia com atenção o texto esclarecedor a seguir e expanda sua consciência!

Associação de ideias e taquipsiquismo

Thiago Leite

Pela Conscienciologia, cada ser humano é uma consciência, um princípio inteligente que não se confunde com seu corpo físico. Toda ação da consciência se dá basicamente pelo pensene, ou seja, a indissociabilidade de pensamento, sentimento e energia. Essa unidade básica da manifestação acompanha toda atividade da cosnciência, refletindo-se em todos os veículos de atuação.

Cada indivíduo é dotado não apenas de um corpo físico, mas de vários corpos que se manifestam em diversas dimensões conscienciais e que estão em intrínseca relação mútua, repercutindo uns nos outros. Em ordem crescente de sutilidade, temos o corpo físico ou soma, manifestando-se na dimensão intrafísica; o corpo energético ou energossoma na dimensão energética (dimener); o corpo emocional ou psicossoma, manifestando-se na dimensão extrafísica; o corpo mental ou mentalsoma, atuando na dimensão mental.

O mais sutil, evoluído e complexo dos corpos componentes do holossoma (conjunto de todos os corpos citados acima) é o mentalsoma, sede do pensamento e das atividades racionais, responsável pela organização da psique da consciência. Entre seus principais atributos, destacam-se a intelectualidade, a racionalidade, a antiemotividade, o raciocínio lógico, a associação de ideias, a visão de conjunto e a cosmoeticidade (relativa à Cosmoética, ética mais evoluída do que a moral humana).

Observa-se que o cultivo dos atributos mentaissomáticos propicia um maior desenvolvimento da atuação da consciência em todos os níveis de sua existência. Ao nos aprofundarmos em estudos e pesquisas, desenvolvemos maior conhecimento não só do mundo ao nosso redor, mas principalmente de nós mesmos (toda pesquisa é também autopesquisa). Quando procuramos exercitar nossa capacidade de tomar decisões, considerando todas as consciências e todos os parâmetros envolvidos, conseguimos alcançar um nível maior de visão de conjunto e de Cosmoética.

O conhecimento produzido pela humanidade está hoje muito mais acessível do que nas épocas anteriores da História humana. Para quem tem acesso a livros, revistas e à internet, é extremamente fácil encontrar saberes de qualquer área e qualquer assunto, seja Literatura, Religião, Filosofia, Ciência (em suas mais variadas disciplinas) ou conhecimentos gerais. Isso significa que o cultivo da erudição está muito mais otimizado nos dias atuais.

Essa facilidade nos possibilita desenvolver um conjunto complexo de conhecimentos e abranger uma grande quantidade de informações úteis. Porém, mais importante do que armazenar informações em nossa holomemória (memória integral do mentalsoma) é saber criar associações entre essas informações, produzindo novos conhecimentos e formas práticas de aplicá-los. Sem as associações de ideias, não teria sido possível a Charles Darwin criar sua teoria da seleção natural, baseada na observação de uma multiplicidade de fenômenos da natureza.

Para o sociólogo alemão Max Weber, é necessário muito trabalho de pesquisa antes de se ter uma ideia original. O momento em que os dados se somam sinergicamente e formam novas informações é o que normalmente chamamos de insight. Quanto mais informações acumulamos e quanto mais exercitamos a associação de ideias, mais sujeitos estamos a experimentar os insights.

O desenvolvimento da capacidade de associar ideias possibilita a elaboração mais rápida dos nossos pensamentos e, dessa forma, conseguimos chegar mais rapidamente às soluções dos problemas com que nos deparamos, tanto no nosso dia a dia quanto em nossa autopesquisa científica. Nossa manifestação pode se tornar mais assertiva, pois esse processo implica naquilo que em Conscienciologia se chama retilinearidade pensência, ou seja, a capacidade de a consciência não se dispersar em seus pensenes, passando de um ao outro sem rodeios, indo de um ponto ao outro através do menor percurso (a menor distância entre dois pontos é a reta).

A retilinearidade pensênica nos permite exercer uma manifestação mais dinâmica. Através do seu desenvolvimento, podemos chegar a outro atributo mentalsomático importante, o taquipsiquismo, ou seja, a rapidez de pensamento, o poder de diminuir significativamente o caminho entre duas ou mais ideias, entre o problema e a solução.

O taquipsiquismo desenvolvido pode ser considerado um trafor (traço-força), uma qualidade da consciência que lhe permite otimizar sua autopesquisa e tomar decisões assertivas, aproveitando melhor o timing das oportunidades, sejam estas favoráveis ao nosso autoaprimoramento ou situações em que podemos ajudar outras consciências, permitindo-nos acelerar nosso processo evolutivo pessoal e grupal.

Você, leitora ou leitor, busca desenvolver sua erudição e as associações de ideias? Já experimentou súbitos insights e ideias originais? Utiliza seus atributos mentais para dinamizar sua evolução, ajudando o maior número de pessoas?

Thiago Leite é Voluntário do INTERCAMPI em Natal

Fonte: Site da Intercampi, http://intercampi.org/2011/12/08/associacao-de-ideias-e-taquipsiquismo/

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

0