AUTOCONHECIMENTO: A AUTOCOMPAIXÃO COMO FERRAMENTA PARA SER RESILIENTE

O magnífico artigo a seguir, escrito por Linda Graham, especialista em resiliência, nos ensina a prática da autocompaixão para desenvolver a resiliência, capacidade de um corpo recupera suas propriedades iniciais, após ação de um agente externo. Um exemplo emblemático é o bambu. Através da autocompaixão aprendemos a responder a eventos angustiantes de uma forma positiva, flexível e eficaz, para discernir as opções que temos e tomar medidas sábias. Por isso lhe convido a ler o artigo completo a seguir e aprender a como desenvolver a sua resiliência.

Práticas de autocompaixão para aprofundar sua resiliência

Mulher abraça a si mesma e sorri.
Ion Chiosea / 123RF

Breve resumo do artigo escrito por Linda Graham – especialista em resiliência

Temos muito mais probabilidade de notar, reagir e lembrar de experiências desagradáveis, angustiantes e negativas do que de experiências agradáveis, reconfortantes e positivas.

Nosso cérebro tem esse viés de negatividade programado para garantir nossa sobrevivência como indivíduos e como espécie. No início da história humana, aqueles que estavam mais sintonizados com o perigo e que prestavam mais atenção às ameaças em potencial tinham maior probabilidade de sobreviver.

Portanto, de muitas maneiras, o viés da negatividade faz sentido para a sobrevivência. Mas para ser resiliente, para responder a eventos angustiantes de uma forma positiva, flexível e eficaz, para discernir as opções que temos e tomar medidas sábias, também precisamos ser capazes de tirar o cérebro da negatividade, reatividade e contração, em direção à receptividade e abertura para o quadro geral.

Aprenda a tirar o cérebro da negatividade

Centenas de estudos agora validam que cultivar emoções positivas – gratidão, bondade, alegria, admiração, deleite – mudará o funcionamento do cérebro de negativo para mais positivo. Isso cria mais abertura, mais colaboração com outras pessoas, mais otimismo.

A autocompaixão é uma prática muito poderosa para desencadear essa mudança cerebral. O resultado direto e mensurável da prática da autocompaixão é a resiliência. Assim, envolvemos o poder da autocompaixão não apenas para nos sentirmos melhor, mas para funcionarmos melhor.

A autocompaixão consciente simplesmente traz consciência e aceitação à sua experiência emocional, não importa o quão perturbadora seja. Ensina-nos a perceber e focar em nossos sentimentos, mas depois nos dá a prática de mudar esses sentimentos. Essa escolha de mudar nossa resposta aos nossos sentimentos é importante para nossa resiliência.

Técnica – Intervalo de autocompaixão

Objetivo – Mudar a nossa consciência e trazer aceitação para a experiência do momento.

Mulher observa ponto aleatório ao horizonte. O cenário é externo e seus cabelos estão ao vento.

Ryanniel Masucol / Pexels

Para criar e fortalecer circuitos neurais que podem fazer essa mudança e recondicionamento quando as coisas estão realmente difíceis.

Pausa e mão no coração – A qualquer momento que você notar uma onda de emoção difícil – tédio, desprezo, remorso, vergonha – faça uma pausa, coloque a mão no coração (isso ativa a liberação de oxitocina, o hormônio da segurança e da confiança).

Reconheça o sofrimento – Tenha empatia com sua experiência e diga a si mesmo: “isso é perturbador” ou “isso é difícil!” ou “isso é assustador!” ou “isso é doloroso” ou “ai! Isso dói ” ou algo semelhante, reconheça e se preocupe com você mesmo como experimentador de algo angustiante.

Repita essas frases para você (ou alguma variação de palavras que funcionem melhor para você):

Que eu seja gentil comigo mesmo neste momento. Isso quebra a automaticidade de nossas respostas de sobrevivência e ciclos de pensamento negativo.

Posso aceitar este momento exatamente como ele é. De William James, considerado o fundador da psicologia americana: “Esteja disposto a que assim seja. Aceitar o que aconteceu é o primeiro passo para superar as consequências de qualquer infortúnio. ”

Que eu possa me aceitar exatamente como sou neste momento. Do psicólogo humanista Carl Rogers: “O curioso paradoxo é que, quando me aceito exatamente como sou, posso mudar.”

Que eu possa dar a mim mesma toda a compaixão de que preciso. A compaixão é um recurso para a resiliência, e você merece tanto sua própria compaixão quanto os outros.

Continue repetindo as frases até sentir a mudança interna: A compaixão, a bondade e o cuidado consigo mesmo se tornando mais fortes do que a emoção negativa original.

Faça uma pausa e reflita sobre sua experiência. Observe se surge alguma possibilidade de ação sábia.

Fontehttps://lindagraham-mft.net/

Com amor,

Fonte: Eu Sem Fronteiras

Deixe uma resposta