ARTIGOS: O RECONHECIMENTO É A FORMA MAIS SUTIL DA GRATIDÃO

Criando uma cultura de reconhecimento módulo de as pessoas primeiro

VAMOS FALAR SOBRE RECONHECIMENTO

Digamos, por exemplo, que alguém nos chama de “estúpido”. Qual a nosso reação imediata natural? Claro, é ter raiva. Ao questionarmos da seguinte forma: “Sobre qual aspecto essa pessoa está me pedindo para que me torne mais consciente?”. Estamos usando essa energia de raiva conscientemente. Se nos fizermos essa pergunta, podemos chegar à conclusão de que não estávamos conscientes do que estava acontecendo em nosso relacionamento.

Se seguirmos constantemente esse procedimento, vamos chegar à consciência de que todas as pessoas em nossa vida estão agindo como espelho. Elas realmente estão refletindo de volta para nós o que não conseguimos reconhecer dentro de nós mesmos. Elas estão nos forçando a olhar para o que precisa ser tratado. Que aspecto de nosso ser inferior precisa ser abandonado? Isso significa que, para desfazer a raiva devemos deixar constantemente ir o nosso orgulho, para que possamos ser gratos pelas oportunidades contínuas de crescimento às quais somos apresentados no curso de nossa experiência diária.

Portanto, uma fonte de raiva é decorrente de atos não reconhecidos de amor que expressamos aos outros. Amor, neste caso, significa formas simples diárias de carinho que acontecem em todo relacionamento humano sob a forma de reflexão, consideração, gestos educados, encorajamento e providência.

Toda essa chicana de raiva pode ser compensada e/ou impedida quando enxergamos o enorme valor de apenas reconhecer tudo o que nos impacta. Por exemplo, se os amigos nos ligam, agradecemos por isso. A razão é que esse gesto faz com que as pessoas se sintam completas e seguras conosco. É um reconhecimento do seu valor em nossa vida, e quando reconhecemos seus valores, todos ficam contentes.

Esse reconhecimento não precisa ir para o exterior, mas pode ter um lugar dentro de você mesmo. Ao examinarmos os nossos relacionamentos, podemos nos perguntar: “O que eu tenho falhado em reconhecer naqueles com quem tenho contato diário? E essa pergunta nos remete a forma mais sutil de gratidão: o reconhecimento!

Wagner Braga

Deixe uma resposta