ARTIGOS: NA JORNADA CELESTIAL EVOLUIR É O PADRÃO, MAS INVOLUIR TAMBÉM FAZ PARTE! POR WAGNER BRAGA

Rompendo com os processos mecânicos da vida | Gnosis Online - O seu portal do esoterismo

Quando imaginamos que viemos para esse planeta passar pelas mais diversas, incríveis e extraordinárias experiências numa jornada evolutiva com o objetivo final de sermos seres livres, desprovidos de todo e qualquer apego material, potencialmente conscientes e aptos para o amor incondicional, não conseguimos enxergar que rumo a esse espectro dimensional de 5º grau haja espaço para regressão ou involução. Há um tempo atrás, eu achava que a cada experiência estaríamos, pelo menos, um pouco mais maduros e que esse processo seria contínuo e progressivo. Porém a minha própria experiência tem mostrado e explicitado com muita veemência que a coisa não é bem assim e tenho conhecido consciências que estão passando por um processo de regressão ou involução a olhos vistos e que por mais suporte, mentoria e oportunidade que possa ter não conseguem despertar e caminhar em direção a um novo plano evolutivo. Infelizmente não é tão fácil para certas consciências sair de um nível evolutivo para outro, por mais que outras consciências mais evoluídas lhe dê suporte e a melhor assistência possível. Na verdade elas precisam passar por uma espécie de limbo para poderem em momento oportuno dar o salto quântico necessário para saírem dessa situação. Algumas consciências passam uma existência inteira patinando e/ou andando para trás. É como se, de alguma forma, aquilo fosse realmente necessário e uma escolha irredutível da alma.

Depois de muitas tentativas de ajuda e assistência espiritual, a insistência dessas consciências em continuarem no limbo é muito triste, frustrante e até deprimente perceber que estão caminhando para um abismo e o preço dessa atitude pode ser muito mais caro do que elas podem imaginar e fica o sentimento de dó, pena, consternação e impotência. É como o pastor que não conseguiu salvar uma de suas ovelhas para os lobos.

Deixe uma resposta