ARTIGOS: A ESCALA DAS EMOÇÕES, POR WAGNER BRAGA

Nesta terça-feira o nosso assunto, aqui na coluna ARTIGOS é Física Quântica, onde falo sobre vibração, frequência e a Escala das Emoções desenvolvida pelo Dr. David R. Hawkins, para medir e quantificar a quantas vibram as nossas emoções e qual a influência disso nas nossas vidas e na nossa evolução. Então conheça a Escala das Emoções e saiba quais as emoções benéficas e quais as maléficas!  

Você conhece a escala de emoções? – Ana Paula Barros

A ESCALA DAS EMOÇÕES

As emoções estão conectadas com o que acreditamos que irá garantir a nossa sobrevivência e não o que realmente irá. Na verdade, emoções por si só são a causa do medo primário que leva as pessoas procurarem segurança constantemente.

Desta forma, a mente é um mecanismo de sobrevivência e usa principalmente as emoções como método. Os pensamentos são produzidos pelas emoções que, eventualmente, se tornam sinônimos. Não raro milhares e até mesmo milhões de pensamentos acabam sendo substituídos por uma única emoção.

Para simplificar e dar clareza, vamos utilizar a escala das emoções que correspondem aos níveis de consciência, sua base científica e aplicações práticas são encontradas no livro Poder vs. Força: Os Determinantes Ocultos do Comportamento Humano (Hawking, [1995], 2012, 2019).

No universo, tudo emite energia, seja positiva ou negativa. É do conhecimento de todos a diferença entre uma pessoa positiva (amigável, verdadeira, alegre) e uma pessoa negativa (gananciosa, traidora, odiosa). Como sabemos “semelhante atrai semelhante”. As diferentes energias vibram em frequências ou “níveis de consciência.” O Dr. David Hawkins desenvolveu O Mapa da Consciência, que fornece uma visão linear, logarítmica de força energética, em frequências que variam de 1 a 1000 Hertz , onde o nível de Iluminação Plena (1000), que no meu livro Gratidão, Intuição e Gratidão, um atalho para a vida plena eu chamo de “Pleni Consciência”, está no topo do mapa e representa o nível mais alto que pode ser atingido no reino humano; que se compara a energia de Jesus Cristo, Buda e Krishna. Por exemplo, o nível da Vergonha (20) está no fundo, perto da morte, representando que o ser mal sobrevive. Já o nível da Coragem (200) é o ponto crítico que marca a troca da energia negativa para a energia positiva. A partir dai temos a Neutralidade (250), a Disposição (310), a Aceitação (350), a Razão (400), o Amor (500), a Alegria ou Amor Incondicional (540) e a paz (600). Acima disso temos ainda a Gratidão, que vibra a 900 Hertz. Abaixo da Coragem temos: o Orgulho (175), a  Raiva (150), o Desejo (125), o Medo (100), Tristeza (75), Apatia (50), Culpa (30) e a Vergonha (20) vibrando perto da morte.

Tradicionalmente, os níveis de energia também são associados aos centros energéticos do corpo, que são mais conhecidos como “Chakras”. Os chakras são centros energéticos por onde a “energia Kundalini” tende a fluir, uma vez que é acordada no nível da Coragem (200). Os centros energéticos (chakras) podem ser medidos por uma variedade de técnicas clínicas e instrumentos eletrônicos sensitivos.

A energia em cada chakra flui através de canais chamados “meridianos” para todo o corpo energético, que é como uma planta do corpo físico. Cada meridiano é associado a um determinado órgão e, por sua vez, cada órgão está associado a uma emoção em particular. Uma emoção negativa desequilibra a energia do seu meridiano e órgão associado. Por exemplo, depressão, desespero e melancolia se associam ao meridiano do fígado, então essas emoções tendem a interferir nas funções deste órgão. Todo sentimento negativo prejudica um órgão do corpo; conforme os anos vão passando, esse órgão começa a adoecer e eventualmente para de funcionar.

O nosso estado emocional influencia não apenas nossas vidas mas também a vida em nossa volta. Se o nosso nível energético é baixo influencia negativamente toda a vida em nosso redor. O contrário também e verdadeiro, ou seja, quanto maior o nível emocional de evolução, mais positiva nossa vida se torna em todos os níveis, e nós sustentamos toda a vida em nossa volta. Conforme sentimentos negativos são reconhecidos e rendidos, vamos ficamos mais livres e subimos na escala e passamos a vivenciar predominantemente sentimentos positivos.

As emoções baixas são limitantes e não nos deixam enxergar o nosso verdadeiro Eu. A partir do momento que começamos a nos render e deixamos ir as emoções baixas e chegamos perto do topo da escala, um novo tipo de experiência começa a acontecer. Bem no topo da escala enxergamos com clareza o verdadeiro Eu e os níveis variáveis de Iluminação. O mais importante é notar que, quanto mais subimos  e somos mais livres, acontece o que o mundo chama de consciência espiritual, intuição e crescimento da consciência. Essa é a experiência comum de todas as pessoas que renderam seus sentimentos negativos. Elas se tornaram cada vez mais conscientes. O que antes era impossível de ver ou vivenciar nos níveis baixos de consciência passa a ser claro e incrivelmente óbvio nos níveis mais elevados.

Retirado do livro Deixar Ir, o Caminho do desapego de David Hawkins, M. D. Ph.D.

Wagner Braga

Deixe uma resposta