Compras crescem mais de 2.000% e Brasil já importa mais armas que lápis

Importações crescem ininterruptamente desde 2017 com maior demanda e processos que facilitaram a burocracia para a compra de revólveres e pistolas estrangeiras

Fernando Nakagawa

Por Fernando Nakagawa, CNN  

 Atualizado 12 de março de 2021 às 19:32

A facilitação do processo de importação acelerou a compra de armas estrangeiras. Dados do Ministério da Economia mostram que brasileiros importaram US$ 29,3 milhões em revólveres e pistolas no ano passado, recorde histórico. Esse não é um fenômeno novo e o crescimento dos valores é ininterrupto desde 2017. O volume importado no ano passado foi 2.656% maior que a média da série histórica iniciada em 1997. Hoje, o Brasil já importa mais armas de fogo que bicicletas ou lápis.

Historicamente, o Brasil era considerado um mercado modesto para armas de fogo estrangeiras. Por duas décadas, a média anual de importações girou na casa de US$ 1,1 milhão, segundo dados do Comex Stat, o banco de dados de comércio exterior do Ministério da Economia.

Desde então, no entanto, as cifras crescem exponencialmente. Em 2017, as importações de revólveres e pistolas somaram US$ 2,2 milhões –o dobro da média histórica. No ano seguinte, as compras foram multiplicadas por cinco, para US$ 11,8 milhões. Em seguida, em 2019, quase dobraram novamente, para US$ 21,2 milhões. Em 2020, novo aumento, dessa vez de 38,2%.

Com esse aumento das importações, a compra de revólveres e pistolas já supera valores gastos em itens populares da pauta brasileira de importações. Em 2020, o Brasil importou mais armas que ferros de passar roupa, bicicletas ou lápis.

 

Desde o começo da semana, a coluna tenta uma entrevista com a Associação Nacional da Indústria de Armas e Munições (Aniam) para tratar do assunto, mas a entidade informou que não tem porta-voz disponível.

Empresários do setor explicam que o aumento das importações é resultado da maior demanda por armas modernas e também da agilidade na autorização para essa compra.

Para importar uma arma é preciso a emissão dois documentos: o certificado internacional de importação e a licença de importação. Historicamente, a emissão desses dois documentos tomava até 120 dias da empresa importadora. Desde 2017, mudanças administrativas aceleraram o processo e atualmente o mesmo processo pode levar até 25 dias.

A Áustria é a origem da maioria das importações e respondeu por 79,3% das armas compradas no ano passado pelos brasileiros. O país é a sede da Glock, grande fabricante de pistolas semiautomáticas que custam a partir de R$ 7 mil no mercado brasileiro. Em seguida, aparecem os Estados Unidos com 15,4%. Todos os demais países têm participação de menos de 2% das importações.

Fonte: CNN

Deixe uma resposta