80% DOS LEITOS DE UTI PARA COVID-19 EM HOSPITAIS PARTICULARES DE NATAL ESTÃO OCUPADOSTÃO

Por G1 RN

 

Hospital Rio Grande, em Natal — Foto: Sérgio Henrique Santos/Inter TV CabugiHospital Rio Grande, em Natal — Foto: Sérgio Henrique Santos/Inter TV Cabugi

Os hospitais privados de Natal fecharam a noite de segunda-feira (24) com cerca de 80% dos leitos de UTI para Covid-19 ocupados.

Esses dados seguem o crescimento na ocupação dos leitos públicos em todo o Rio Grande do Norte, que atingiu 98%, de acordo com o Regula RN, plataforma que monitora a Covid-19 no estado, nesta terça (25). Na Grande Natal, esse número é de 97,6%.

Ao todo, são 144 leitos críticos (de UTI e semi-intensivo) nos hospitais particulares da capital potiguar. Desses, 114 estão ocupados. Entre os vagos, estão 8 UTIs pediátricas (exclusivas para crianças) e 3 UTIs Neonatal (para prematuros e bebês).

Dessa forma, os dados apontam que, para adultos, há apenas 19 leitos de críticos disponíveis, sendo 16 de UTI e 3 de semi-intensivo. Foram considerados nesse levantamento os hospitais São Lucas, do Coração, Hapvida, Dr. Luiz Antônio, Memorial São Francisco, Rio Grande, da Unimed, Policlínica e Promater.

Em relação aos leitos clínicos dos hospitais privados, também já há pressão. O levantamento aponta 129 leitos clínicos, mas desses, apenas 33 estão disponíveis atualmente – os demais 96 estão ocupados com pacientes.

Nos leitos públicos, de acordo com o Regula RN, atualmente há, em todo o estado, 414 leitos críticos para a Covid-19, com 389 ocupadosseis disponíveis e 22 bloqueados (por falta de insumos ou profissionais).

Além disso, a fila para um leito de UTI voltou a crescer. Atualmente, 90 pessoas aguardam por um leito crítico no estado, com apenas esses seis disponíveis. Desse total, 47 estão na Região Metropolitana.

No limite

De acordo com o secretário de Estado da Saúde Pública (Sesap), Cipriano Maia, o estado já está no limite e não há mais possibilidade de abertura de novos leitos caso a situação se agrave.

“Nós estamos já no limite hoje. Porque se nós temos quase cem pacientes em filas de espera, não precisa esperar junho, a gente já está em uma situação de saturação, de quase colapso. Isso exige medidas desde já, como a gente vem alertando e recomendando já há algumas semanas”, afirmou em entrevista à Inter TV Cabugi.

Não temos possibilidade de abertura de novos leitos porque isso envolve equipamentos, insumos médicos, pessoal. Nós estamos no limite. A alternativa que nós temos é evitar a procura de leitos fazendo restrição de circulação, usando medidas de proteção, intensificando as ações de vigilância e controle de isolamento dos sintomáticos para que a doença diminua o seu contágio”.

O Rio Grande do Norte está com ocupação dos leitos críticos acima de 90% desde o fim de fevereiro. Nos últimos tempos, o estado tem batido recordes da doença. Abril e março foram os meses mais letais da pandemia, e maio já se tornou o mês com mais casos confirmados da doença no estado.

Leitos da rede privada

São Lucas – 51 Leitos

  • 18 UTI – 8 disponíveis
  • 33 clínicos – 7 disponíveis

Hospital do Coração – 38 leitos

  • 20 de UTI – 2 disponíveis
  • 18 semi-intensivo – 2 disponíveis

Hapvida – 49 leitos

  • 14 UTIs – 4 disponíveis
  • 2 UTIs pediátricas – 0 disponíveis
  • 31 leitos clínicos – 6 disponíveis
  • 2 leitos clínicos extras – 0 disponíveis

Hospital Dr. Luiz Antônio

  • 3 leitos clínicos – 0 disponíveis

Hospital Memorial São Francisco

  • 3 leitos clínicos – 0 disponíveis

Hospital Rio Grande – 30 leitos

  • 9 UTIs – 0 disponíveis
  • 16 semi-intensivo – 1 disponível
  • 5 extras – 0 disponíveis

Hospital da Unimed – 35 leitos

  • 10 UTIs adulto – 2 disponíveis
  • 1 UTI Neonatal – 0 disponíveis
  • 4 UTI pediátricos – 4 disponíveis
  • 20 leitos clínicos – 11 disponíveis

Policlínica – 31 leitos

  • 10 UTIs – 0 disponíveis
  • 21 leitos clínicos – 0 disponíveis

Promater – 44 leitos

  • 10 UTIs – 0 disponíveis
  • 16 leitos clínicos – 9 disponíveis
  • 4 UTI pediátricas – 4 disponíveis
  • 3 UTIs Neonatal – 3 disponíveis
Fonte: G1 RN

Deixe uma resposta